Deixar a mente ‘viajar’ traz benefícios ao cérebro

Você já deve ter tentado passar alguns momentos sem pensar em nada, apenas para descobrir que se trata de algo muito difícil de fazer. Afinal, nosso cérebro nunca descansa de verdade. Mas, ao contrário do que se pensa, “sonhar acordado” pode fazer bem para a saúde mental.

Durante muitos anos, neurocientistas realizaram pesquisas com base no pressuposto de que o cérebro trabalha mais quando tem uma tarefa específica pela frente e “desliga” se não está sendo estimulado ativamente.

É por isso que sempre ouvimos falar de testes com voluntários em que eles cumprem alguma tarefa enquanto seu cérebro é monitorado por tomografia ou ressonância magnética. O exame revela quais partes da mente estão mais ativas durante determinada ação, o que possibilita compreender como ela controla nosso comportamento.

Entre um teste e outro, os pesquisadores costumam pedir para o voluntário olhar para um ponto específico ou não se concentrar em nada, como uma maneira de trazer o cérebro para um estado “neutro”.

Mas há um problema: o cérebro simplesmente não desliga.

Rede em default
O primeiro sinal de que o cérebro em repouso está, na realidade, ativo veio há duas décadas. Um estudante chamado Bharat Biswal, da Faculdade de Medicina do Wisconsin (EUA), investigava maneiras de encontrar um sinal mais puro vindo de um tomógrafo ligado a um voluntário. Mesmo quando pedia para o indivíduo não pensar em nada, percebeu que não só o cérebro continuava em atividade como também a coordenava.

Em 1997, uma análise feita pela Universidade Washington em St. Louis, nos Estados Unidos, e que incorporou resultados de nove estudos de tomografia cerebral revelou mais uma surpresa: uma rede de conexões cerebrais que é ativada quando não estamos concentrados em nada.

Gordon Shulman, principal autor da pesquisa, notou que algumas áreas do cérebro se tornavam menos ativas quando o voluntário terminava seu período de descanso e começava a realizar alguma atividade. Isso sugere que enquanto uma pessoa está no tomógrafo, supostamente sem fazer nada, partes de seu cérebro estão mais ativas do que quando tem que cumprir uma tarefa.

Até hoje, quase 3 mil estudos científicos já foram publicados a respeito do “estado de repouso” do cérebro e sua surpreendente atividade. Alguns cientistas até rejeitam o termo, alegando que o cérebro nunca descansa e preferindo falar em Default Mode Network (DMN) (“rede em modo default”, em tradução literal), ao se referirem às áreas cerebrais que permanecem ativas quando o órgão parece não estar se concentrando em uma tarefa.

Consolidar memórias
A grande dúvida é: por que o cérebro em repouso é tão ativo?
Existem várias teorias, mas por enquanto os cientistas ainda não chegaram a um acordo. Alguns acreditam que as diferentes áreas do cérebro estejam apenas treinando como trabalhar juntas. Outros acham que o cérebro é como um carro em ponto morto, que precisa estar pronto a arrancar caso necessário.

Há ainda os pesquisadores que defendem que essas “viagens” da mente tenham um papel fundamental para consolidar memórias. Sabemos que, à noite, nossos sonhos ajudam o cérebro a organizar o que aprendemos e vivemos durante o dia. Agora há evidências de que isso também acontece quando estamos acordados, conforme apontou um estudo do Centro de Neurociência Integrativa da Universidade da Califórnia em San Francisco, publicado em 2009. Também sabemos que quando deixamos a mente viajar, ela normalmente se concentra no futuro. E as três principais áreas do cérebro envolvidas na imaginação do futuro são parte da DMN.

É como se o cérebro fosse programado para contemplar o futuro toda vez que se encontra desocupado.

Segundo o neurocientista Moshe Bar, da Faculdade de Medicina de Harvard, sonhar acordado essencialmente cria memórias de eventos que não aconteceram. “Isso nos dá um estranho conjunto de ‘experiências prévias’ que podemos usar para decidir como agir caso essas imaginações se tornem realidade”, afirma.

“Muitas pessoas que viajam de avião costumam pensar em como seria sofrer um acidente. Se um dia houver mesmo um acidente, as memórias dessas visualizações podem ajudar o passageiro a decidir o que fazer na situação”, diz o pesquisador.