O acidente que marcou a ciência

Localizado na parte da frente da cabeça, o lobo frontal é a principal região do cérebro responsável por regular e inibir comportamentos, e por formar planos e intenções. O lobo frontal também é divido pelo córtex motor e córtex pré-frontal.

A principal função do córtex motor é controlar o movimento voluntário – de linguagem, escrita e dos olhos. Já o córtex pré-frontal, é responsável pela habilidade de adquirir conhecimento, pelo comportamento e pelo controle das emoções.  Como um todo, o lobo frontal contribui para a construção da personalidade do indivíduo.

A região recebeu mais atenção dos cientistas em 1848, após um operário chamado Phineas Gage sofrer um acidente em seu trabalho. O crânio do operário foi perfurado por uma barra de ferro após a sua tentativa frustrada de explodir uma pedra com pólvora.

Felizmente, ele sobreviveu e permaneceu consciente, capaz de caminhar e de se comunicar normalmente. No entanto, sua personalidade mudou completamente.

Antes do acidente, Phineas era considerado uma pessoa calma, dedicada ao trabalho, competente e educada. Logo após ao ocorrido, ele se tornou agressivo, rude, mal humorado e incompetente. Se distraía no trabalho, ofendia as pessoas, assediava mulheres e bebida exacerbadamente.

Sua personalidade e comportamento mudaram “subitamente” porque a barra perfurou o lobo frontal, e consequentemente, o córtex pré-frontal. O caso de Phineas comprova que alterações morfofisiológicas e estruturais no cérebro tem relação direta com a alteração de comportamento e nas tomadas de decisão.

Infelizmente, Phineas morreu 13 anos depois por causa de uma epilepsia, originada pela lesão cerebral. No entanto, a sua história continua sendo contada e ainda agrega muito para os estudos sobre o cérebro.